Últimas Notícias

07/10/2019

Gasto das famílias com transporte supera despesas com alimentação pela 1ª vez, d

Os gastos com transportes passaram a ter mais peso nas despesas das famílias brasileiras do que alimentação, embora o maior custo ainda seja com habitação, conforme dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, divulgada pelo IBGE nesta sexta-feira.

 

“(Para as) despesas com alimentação você consegue buscar alternativas, fazer a substituição por outros. No caso dos transportes é mais difícil”, disse o gerente da pesquisa, André Martins.

 

O IBGE realiza a sondagem desde a década de 1970. O instituto não apontou diretamente os motivos para o aumento do peso dos transportes no orçamento das famílias, mas entre as hipóteses estão reajustes nos preços dos ônibus e dos combustíveis, despesas mais elevadas com automóveis de passeio e até a maior urbanização da população brasileira ao longo dos últimos anos.

 

Uma nota técnica será divulgada no dia 11 deste mês para explicar as novas ponderações no cálculo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), referência para o regime de metas de inflação no Brasil.

 

Os novos pesos para o IPCA —ponderados pela POF com base nos anos de 2017 e 2018— ainda não valerão para a próxima divulgação do índice, marcada para 9 de outubro. A nova estrutura mudará o cálculo da inflação a partir do ano que vem, com o primeiro resultado (referente a janeiro) devendo ser divulgado em fevereiro de 2020.

 

De acordo com a nova POF, a despesa média com alimentação comprometia 17,5% do orçamento das famílias, ante 19,8% na pesquisa anterior (2008/2009). As despesas com transporte respondiam, em média, por 18,1% dos gastos das família (19,6% uma década atrás).

 

Já o grupo habitação ganhou peso pela POF 2017/2018 e abarcava 36,6% das despesas das famílias brasileiras, ante 35,9% na pesquisa de 2008/2009. 

O levantamento do IBGE revelou ainda que as famílias com rendimento de até dois salários mínimos (1.908,00 reais) destinavam uma parte maior de seu orçamento para despesas com alimentação e habitação do que aquelas com rendimentos superiores a 25 salários mínimos (23.850,00 reais).

 

Os dois grupos juntos representavam 61,2% das despesas das famílias com menores rendimentos, sendo 22,0% destinados à alimentação e 39,2% para habitação.  

Por outro lado, entre as famílias com os rendimentos mais altos, os dois grupos juntos respondiam por 30,2% dos custos, sendo 7,6% com alimentação e 22,6% com habitação.

 

“Para as famílias que formam a classe de maiores rendimentos, as despesas com alimentação (R$ 2.061,34) eram mais que o triplo do valor médio do total das famílias do país (R$ 658,23) e mais de seis vezes o valor da classe com rendimentos mais baixos (R$ 328,74)”, disse o IBGE em texto em seu site.

 

A pesquisa revelou também que alimentação, habitação e transporte comprometiam, em conjunto, 72,2% dos gastos das famílias brasileiras em relação ao total das despesas de consumo.


ASPB - Associação de Supermercados da Paraíba
Av. Duque de Caxias, 20 Centro - João Pessoa - Paraíba | Fone: (83) 3221-9047
© Copyright 2008 - 2019 - Todos os direitos reservados